Exercícios indicados para alunos com algum tipo de comorbidade

Conheça algumas sugestões que podem auxiliar em uma rotina mais saudável, aumentando a qualidade de vida e o bem-estar.

Nem sempre os exercícios indicados para alunos com algum tipo de comorbidade serão semelhantes aos dos outros alunos, afinal, as atividades físicas devem ser indicadas de acordo com o perfil de cada pessoa. 

Principalmente porque comorbidade é a associação de duas ou mais doenças que acometem o indivíduo ao mesmo tempo.

Algumas delas são consideradas como silenciosas, visto que não apresentam sintomas, principalmente quando em estágio inicial. Por isso, é aconselhável que exames médicos sejam realizados em caso de suspeita. 

Muito se ouviu falar sobre esse termo durante a pandemia do coronavírus, transformando tais pacientes em grupo de risco, juntamente com os fumantes, hipertensos, imunodeprimidos e idosos. 

Vale ressaltar que uma análise prévia das doenças que acometeram o aluno é importante, além do conhecimento dos problemas de saúde que ele está enfrentando. 

Sendo assim, será possível fazer uma ficha que auxilie em uma possível retomada da qualidade de vida, sem que haja grande esforço físico e comprometimento do organismo. 

 

Quais são os exercícios indicados para alunos com algum tipo de comorbidade?

A prática de exercícios físicos regulares se tornou uma pauta que é questão de saúde pública, pois seus efeitos são extremamente positivos.

A OMS – Organização Mundial da Saúde – ressalta a importância de deixarmos o sedentarismo para trás, visto que as atividades são capazes de reduzir consideravelmente o risco de morte, além de diminuir as chances de se desenvolver determinadas doenças e problemas no organismo, ajudando a:

  • Reduzir a adiposidade corporal;
  • Estabilizar a pressão arterial;
  • Melhorar o perfil lipídico e a sensibilidade à insulina;
  • Aumentar o gasto energético, a massa e a força muscular;
  • Melhorar a capacidade cardiorrespiratória;
  • Obter maior flexibilidade e equilíbrio.

Porém, tudo isso só se torna possível se existir uma regularidade, de preferência com supervisão e uma alimentação equilibrada, pois do contrário pode ocasionar dores e inflamações das articulações ou outros problemas que podem ser prejudiciais.

 

Atividades físicas para pacientes com doenças cardiovasculares

Prevenção é palavra-chave para pacientes que possuem algum tipo de predisposição às doenças cardiovasculares. 

Para essas pessoas, manter uma rotina de exercícios é fundamental, pois pode auxiliar no controle de colesterol e triglicérides, por exemplo.

Tudo deve ser feito de acordo com uma análise prévia do paciente, como falamos anteriormente, para que não seja prejudicial e com esforço além do que é possível suportar. 

O ideal, de acordo com o que foi observado, é fazer um mix de atividades aeróbicas, visando melhorar a atividade respiratória e cardiovascular, com exercícios de resistência, como musculação, por exemplo.

Uma das atividades mais acessíveis para esses pacientes é a caminhada, podendo realizar ciclos espaçados na esteira, mas sempre com um cuidado controlado, já que o ideal é que eles não ultrapassem 150 bpm de frequência cardíaca. 

Pedaladas também são interessantes para pessoas que possuem essa condição como uma comorbidade.

Tudo certo? O aluno apresentou um bom condicionamento nesses tipos de exercícios? Então, aos poucos, é possível introduzir a musculação à rotina, porém, não deve-se utilizar cargas muito pesadas ou exceder na quantidade.

As atividades aeróbicas já costumam demandar bastante, ou seja, é melhor verificar o quão se faz necessário introduzir mais coisas na ficha desse aluno.

 

Exercícios voltados aos alunos com sobrepeso ou obesidade

Não é só sobre o peso, a obesidade também agrava possíveis problemas com diabetes e coração. Para atingir esse público é preciso de uma ferramenta principal: adaptação

A maioria das pessoas que possuem sobrepeso ou obesidade têm limitações provenientes dessas condições, visto que o excesso de peso pode exigir muito mais do coração e articulações.

Atividades de resistência e musculação são ideais para reforçar os músculos e também as articulações, enquanto a caminhada e o pedal fazem com que exista uma melhora na atividade cardiorrespiratória.

É imprescindível que as coisas aconteçam com calma, no ritmo que o aluno precisa (e pode) se desenvolver. Até porque, com essas limitações, é bem comum existir uma tendência ao “não consigo” e “vou desistir”. 

Você também pode pensar em incorporar a natação e a hidroginástica nesse combo, pois ambas possuem baixo impacto e possibilitam uma excelente queima de gorduras.

 

E para a diabetes, o que é indicado?

Não muito diferente das condições citadas acima, os alunos que possuem diabetes tipo 2 podem praticar diariamente caminhada, bicicleta, natação, hidroginástica e até mesmo musculação

As atividades devem ser feitas com acompanhamento profissional, cuidado e muita disciplina, pois pode-se reduzir pela metade a necessidade de injeções constantes de insulina.

Para se tornar ideal, é preciso manter pelo menos 30 minutos de atividades diárias moderadas, na maioria dos dias da semana, uma vez que causará efeito anti-inflamatório no organismo, fazendo com que a sinalização entre insulina e célula melhore.

 

Doenças respiratórias e as atividades físicas

O número de brasileiros que sofrem com algum tipo de doença respiratória é enorme, dentre elas podemos citar: asma, bronquite, rinite ou enfisema pulmonar.

Tudo isso causa cansaço e indisposição, o que, na maioria das vezes, leva as pessoas a não terem ânimo para praticar atividades físicas. Porém, esse estilo de vida sedentário tende a agravar as doenças.

Sendo assim, com a prática monitorada, é possível garantir o fortalecimento dos músculos que trabalham no movimento da respiração, ajudando de forma efetiva o organismo na distribuição do oxigênio.

Uma das melhores maneiras para tratar esse tipo de doença é fazendo natação, pois a umidade do ar no ambiente aumentará a quantidade de oxigênio inalada durante a atividade.

E outro fator crucial é a repetição dos movimentos, sendo um exercício aeróbico muito eficiente para a resistência do pulmão, diafragma e músculos intercostais. 

Também pode-se trabalhar com pedalada e caminhada, que auxiliam no controle da respiração, melhoram o condicionamento físico e a capacidade respiratória.

 

E para as dores na coluna?

Com o trabalho sendo realizado de casa e rotinas cada vez mais intensas, esse é um quadro que acomete uma grande parte da população.

É comum que as dores na coluna sejam intensificadas, gerando até mesmo a dependência de remédios. 

Muito se engana quem acha que alunos com esse tipo de condição estejam impossibilitados de praticar atividades físicas, mas eles precisam apenas de paciência e acompanhamento profissional.

A adaptação será extremamente importante, atentando sempre para o conforto e bem-estar durante e depois dos exercícios. 

Bons exemplos são: alongamento, musculação, hidroginástica e natação, pois são capazes de fortalecer e alongar os músculos, além de oferecer uma maior flexibilidade e sustentação ao corpo.

Dito tudo isso, é importante que a equipe esteja preparada para receber esses alunos, com total atenção e um treinamento específico para cada quadro. 

Afinal, todos podem e devem se exercitar, garantindo uma melhor qualidade de vida e diminuindo os efeitos e sintomas de diferentes tipos de doenças. 

Repassando o que vimos neste post

  • O que são comorbidades;
  • Quais exercícios indicados para alunos com algum tipo de comorbidade;
  • Modificações que podem ser notadas com a prática de atividade física;
  • Atividades físicas para pacientes com doenças cardiovasculares;
  • Exercícios voltados aos alunos com sobrepeso ou obesidade;
  • Indicações de atividade física para diabéticos;
  • Doenças respiratórias e as atividades físicas;
  • Dores na coluna e exercícios indicados.

 

Sites de pesquisa:

https://www.unimed.coop.br/web/valedasantas/medicina-preventiva/habitos-de-vida-saudavel/os-beneficios-da-atividade-fisica

http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2012/08/exercicios-fisicos-se-tornam-aliados-no-tratamento-de-doencas-cronicas.html

http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/EDUCACAO_FISICA/artigos/AtF_e_Doencas_degenerativas.pdf

http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/EDUCACAO_FISICA/artigos/AtF_e_Doencas_degenerativas.pdf

https://www.hcor.com.br/imprensa/noticias/atividade-fisica-ajuda-prevenir-avc-e-doencas-cardiovasculares/

https://www.gofitness.com.br/blog/beneficios-da-atividade-fisica-no-combate-a-doencas/

https://aps.bvs.br/aps/quais-os-impactos-dos-exercicios-aerobicos-para-os-portadores-de-diabetes-tipo-2/

https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/pdf/diabetes-tipo-2/005-Diretrizes-SBD-Como-Prescrever-pg42.pdf

https://www.ladoaladopelavida.org.br/detalhe-noticia-atividade-fisica-prevencao/exercicios-fisicos-auxiliam-na-prevencao-e-reabilitacao-de-doencas-cardiovasculares

https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1807-55092011000500005&script=sci_arttext

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Sem comentário ainda, deixe o seu abaixo!


Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat