Treinamento físico tem limite?

O que fazer quando seus alunos querem praticar demais?

Muitas pessoas tendem a pecar pelo excesso em diversas áreas da vida, inclusive no treinamento físico

Mas um esforço extremo pode acarretar em diversos problemas e sintomas, oferecendo até mesmo risco à saúde, pois gera fadiga muscular e afeta o sistema cardiorrespiratório.

Ou seja, treinar é extremamente importante, como você já deve ter lido em outros outros posts do blog, visto que a atividade física constante auxilia a combater a obesidade e comorbidades associadas, mas é necessário que exista limite e também descanso.

Treinamento físico, por que é necessário impor certos limites?

Como falamos anteriormente, existem pessoas que estão buscando alcançar suas metas indo além do que o organismo é capaz de suportar, porém não é dessa forma que será possível obter sucesso. 

Esse tipo de situação tem até nome: síndrome do excesso de treinamento, o que muitos chamam de overtraining, onde os alunos treinam com o objetivo de obter melhores resultados, até mesmo em curto prazo, mas a realidade é que não existe milagre, mas dedicação pautada naquilo que chamamos de disciplina.

Alguns alunos podem chegar e ver o corpo de maneira distorcida, fugindo da própria realidade. Isso faz com que o exercício se transforme em vício, tornando-se uma compulsão.

O excesso de treinamento físico pode fazer com que o corpo passe por mudanças que o organismo não está preparado para receber, através da produção equivocada de hormônios, afetando até mesmo a saúde mental. 

Sem contar que o coração toma um ritmo acelerado mesmo quando está em repouso, levando a consequências como: insônia, mau humor, cansaço e baixa imunidade, por exemplo. Sendo assim, fica ainda mais propício a infecções e outras doenças oportunistas.

Aqueles que treinam com muito mais frequência, como alunos que participam de competições, costumam sofrer também com a cobrança, que acaba impulsionando o cérebro a praticar cada vez mais, o que faz com que seja muito difícil a dosagem.

Mesmo assim, com o acompanhamento adequado de um profissional é possível reverter essa situação, focando nos resultados a longo prazo, através de metas graduais e que sejam alcançáveis.

Isso faz com que lesões possam ser evitadas, além de prevenir contra outros tipos de problemas que podem surgir com o passar do tempo.

Vale ressaltar que dor e fadiga não são sinônimos de que determinada prática está dando certo, na verdade são um alerta para analisar como o corpo está operando, pois provavelmente já terá chegado ao seu máximo. 

Além disso, também é preciso observar que nas trocas de fichas ou início de uma nova atividade, dor e fadiga podem ser comuns, mas ainda assim é necessário respeitar o limite, uma vez que pode se transformar em algo agudo ou até mesmo crônico.

É possível perceber tudo isso através de algumas características bem simples, tais como:

  • Demora para se recuperar de algum esforço;
  • Sensação de fraqueza;
  • Frequência cardíaca mais alta do que o normal pela manhã;
  • Insônia frequente ou demora para dormir;
  • Dor corporal por vários dias seguidos;
  • Cansaço extremo, inclusive mental;
  • Resultados estagnados;
  • Mau humor frequente e frustração.

Agora, sabendo de tudo isso, o que fazer quando seus alunos querem praticar demais?

Um educador físico é essencial para o processo

Sabemos que muitas pessoas treinam sozinhas e até mesmo sem contato com as academias. Principalmente durante a pandemia, que aumentou exponencialmente o número de treinamentos ministrados on-line.

Para aqueles que têm sede por exercícios físicos, acaba se tornando bastante comum esse risco de sobrecarregar o organismo, porque muitas vezes não conseguem enxergar até onde podem ir, ultrapassando os limites. 

Sendo assim, é muito importante que o treinador esteja presente na rotina dos alunos, analisando fichas de acordo com objetivos e biotipos, além de prescrever atividades que evoluam de maneira cadenciada, não bruscamente. 

É preciso mostrar aos alunos de maneira objetiva quais são os erros cometidos dessa forma, o que pode ser comprometido e até mesmo perdido ao longo dos meses. 

Esse acompanhamento garante não só a segurança, mas também que as metas sejam atingidas, alimentando a certeza de que é possível chegar onde se quer através de pequenas doses diárias. 

Então, aqui fica a pergunta: o que você está fazendo pelos seus alunos?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Sem comentário ainda, deixe o seu abaixo!


Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat