Posts sobre a Covid-19:

Um pack para você compartilhar nas suas redes sociais

Desde o começo do isolamento social estamos buscando formas de entregar conteúdos cada vez mais relevantes para você, gestor de academia. Então, elaboramos posts sobre a Covid-19.

Esses conteúdos poderão ser disseminados nas redes sociais, aumentando o número de pessoas com acesso a informações relevantes e de fontes confiáveis, visto que as fake news são um grande empecilho para o desenvolvimento positivo deste período. 

Para que as informações contidas nas artes editáveis que desenvolvemos para facilitar a sua comunicação não fiquem “soltas”, este post traz alguns estudos e artigos que separamos como complemento que podem auxiliar até mesmo na legenda das postagens. 

Alertamos que as pesquisas estão sendo realizadas com novas teorias, dados e análises, visto que se trata de um tema muito novo para a sociedade e estudiosos. 

Mesmo que muitas notícias sejam positivas, atente-se à necessidade de cumprir com os protocolos de biossegurança, pois eles são imprescindíveis na hora de oferecer maior segurança para alunos e funcionários.

Lembre-se que a ACAD trabalha em prol do segmento, para que possamos ampliar nossa voz e sermos vistos como essenciais, afinal, a prática regular de atividades físicas é crucial para o não desenvolvimento de comorbidades e complicações de saúde advindas não só da Covid-19

Posts sobre a Covid-19: um pack de muito impacto positivo

Ao longo deste post, você irá encontrar informações que poderão ser compartilhadas com o seu público de forma super segura. Não esqueça de marcar a ACAD nas suas redes sociais para que possamos ampliar ainda mais o alcance dos conteúdos. 

Obesidade e o coronavírus

A pandemia trouxe à tona um assunto que já abordamos há anos: a obesidade! Afinal, a taxa de sedentários no Brasil, quando comparada ao resto do mundo, está entre os primeiros lugares no ranking.

De acordo artigos publicados em revistas médicas super conhecidas e respeitadas, “Journal of the American Medical Association” e “The Lancet”, 48% dos falecimentos ocasionados pela Covid-19 têm relação com a hipertensão e/ou diabetes. Ou seja, doenças que fazem parte do quadro de um grande número de pessoas obesas, aumentando riscos, consequências e até mesmo sequelas advindas da doença. 

Confira o artigo: A necessidade urgente de recomendar atividade física para o manejo do diabetes durante e após o surto de COVID-19.

Trabalhar atividades físicas com o intuito de diminuir o volume desse grupo de risco é imprescindível para que as taxas do coronavírus sejam alteradas, aumentando as chances de cura e restabelecimento da saúde dos infectados. 

Atividades físicas são extremamente necessárias na pandemia

Por isso, os exercícios precisam ser encarados como uma forma de prevenção, bem como de cura, uma vez que também auxiliam na recuperação dos pacientes. 

É importante trazermos à tona esse tema, pois o isolamento social transformou a rotina de milhares de brasileiros. Por exemplo: se uma pessoa ia à pé para o trabalho, hoje está sentado horas na frente de uma tela em casa. Ou se optava por uma refeição em restaurantes mais saudáveis, hoje tende a pedir uma maior quantidade de delivery

Essas são apenas algumas mudanças negativas que estamos vendo crescer e podemos acrescentar que a movimentação corporal se tornou ainda menor, pois uma boa parte das profissões estão condicionadas a longas horas de trabalho sentado. 

De acordo com pesquisadores da Unesp – Universidade Estadual Paulista, houve uma redução de 35% no nível de atividades físicas, além de um aumento consideravelmente alto de sedentarismo, chegando a 28% (levantamento internacional nos primeiros meses de lockdown).

O risco de internação para pacientes com Covid-19 chega a ser duas vezes maior para as pessoas que não praticam exercícios periodicamente. E isso pode ser somado a graves sequelas e até mesmo a morte. 

O site Medrxiv, responsável por relatórios preliminares de trabalho, traz uma publicação que nos mostra que a força e a massa muscular podem ser consideradas na hora de calcular o tempo de uma internação hospitalar por Covid-19.

Vale ressaltar que os estudos do site não podem ser utilizados para a prática clínica ou para direcionar comportamentos ligados à saúde, visto que não são revisados por pares.

Sem contar que durante as práticas, o músculo libera um hormônio super importante: irisina, que é considerado como terapêutico, proporcionando benefícios ao indivíduo infectado. 

Atividades em piscinas são seguras quando o assunto é coronavírus

Você sabia que o vírus da Covid-19 é inativado em apenas 30 segundos quando em contato com a água da piscina? Isso mesmo!

A pesquisa estabeleceu que 1,5 mg por litro de cloro livre com um pH entre 7-7,2 reduziu a infectividade do vírus em mais de 1000 vezes em 30 segundos, ou seja, ele não consegue sobreviver. 

Essa é uma notícia incrível, pois atividades aquáticas, como natação e hidroginástica, podem auxiliar na queda dos índices de sedentarismo, além de proporcionar a crianças, adultos e idosos uma maior qualidade de vida, saúde e bem-estar.

Vale lembrar que vários produtos de desinfecção utilizados para eliminar o vírus contém as seguintes substâncias entre os componentes: a solução de hipoclorito, utilizada em superfícies e até mesmo em hospitais.

Além disso, é crucial que as medidas de prevenção estejam sendo seguidas à risca, incluindo, obviamente, os protocolos de biossegurança, que incluem o uso da máscara, álcool em gel e o distanciamento social como os principais itens.

Agora que você possui uma parte das informações necessárias para compartilhar conteúdos sobre a Covid-19 de forma segura e de fontes confiáveis, clique no botão abaixo e baixe o pack de posts para as suas redes sociais!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Sem comentário ainda, deixe o seu abaixo!


Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat